A incrível chácara de órfãos de Limeira – Uma viagem no tempo até 2005

27 jun

Sensacional a contribuição do colaborador Rodrigo Sirineu, que merece ser reproduzida:

Olá pessoal do #CarroCultura. Aproveito o assunto de Limeira para mandar ums fotos que eu tenho comigo dos mesmo carros. Foi em março de 2005, lá falamos com um senhor da lanchonete ao lado e ele nos contou que um colecionador que, tem até hoje, o galpão ao lado que era o dono dos carros. Na época estavam “bons”, pois interior não maltrata os carros como já acontece aqui. No galpão ele tinha mais carros muito bons, como um Bel Air 52 cor vermelha, um Citroen DS e também algumas  motos antigas até colocadas na parede do galpão. Também na parte de fora tinha 2 fordinhos e um carro ‘branco’, que acho que deve ser um Packard. Também o carro amarelo estava bem melhor do que atualmente. Deve ser até uns daquelas carros dos anos 50 com a carrocerias feitas nas grandes oficinas de SP de antigamente. Ainda no alto do galpão, na entrada tinha a carroceira de um Renault ”rabo quente”, que até aparece nessas fotos atuais. Não conversamos com o dono porque era domingo, mas na época ele deixava o galpão disponível para visitas. O que não estou gostando é dos comentários. Ainda creio que são carros restauravéis, pois são do interior então sofrem menos com a ferrugem. Obrigado e até mais!!!

Bacana demais, pois agora podemos notar perfeitamente o avanço no estado dos carros de sete anos para cá! Valeu, Rodrigo!

Clique nas imagens para vê-las em tamanho maior.

Anúncios

29 Respostas to “A incrível chácara de órfãos de Limeira – Uma viagem no tempo até 2005”

  1. Bynhoz....que ODEIA fiat, mas AMA preciosidades Antigas.. 28 de junho de 2012 às 00:12 #

    Realmente a sete anos atrás ainda estavam recuperáveis, mas percebendo do modo que foram deixados, o destino era ficar como estão hoje, apenas histórias, é lamentável a atitude deste senhor que se diz um colencionador… Largá-los do lado de fora e expostos ao tempo… Uma pena…

    • Bynhoz....que ODEIA fiat, mas AMA preciosidades Antigas.. 28 de junho de 2012 às 00:15 #

      Ahhh!!! Magrão não foi não…kkkkkk…um forte abs..

      • Magrao da borracharia 1.0 com 168 cv. 28 de junho de 2012 às 11:13 #

        Hoje eu estava no celular dae nao apareceu seu comment
        Vlw abs.

  2. Magrao da borracharia 1.0 com 168 cv. 28 de junho de 2012 às 00:13 #

    FIRST!!!!!!!!!!!!
    AAAAAHHH
    da pra recuperar alguns,o resto passo para o explosivo e os caras do ferro velho.

  3. Magrao da borracharia 1.0 com 168 cv. 28 de junho de 2012 às 00:14 #

    Adotava pra fazer hot rod.

  4. Explosivo 28 de junho de 2012 às 00:22 #

    Eu só adotava o ‘Calhambeque’ que eu não sei o nome pra fazer um Hot Rod.. O resto não tenho vontade nem de explodir, simplesmente passo para meus amigos Barbudo e Sucateiro para dividirem os custos e ainda ajudarem ao meio ambiente…

  5. Homem mau, feio e barbudo do Ferro Velho 28 de junho de 2012 às 00:44 #

    Mantenho a oferta de R$0,19 o quilo por tudo o que for sucata metálica e ferrosa que se encontra nesse local…………levo o caminhão garra e as caçambas de carregar sucata, carrego tudo, peso e depois é prensa e moedor de sucata………R-R-R = Reduzir, Reutilizar, Reciclar……….a natureza agradece……….

    • Magrao da borracharia 1.0 com 168 cv. 28 de junho de 2012 às 01:36 #

      Perfeito

    • Sucateiro 28 de junho de 2012 às 19:39 #

      Mantenho também o plano de desmonte e catalogamento das peças serviveis. Embora hoje em dia, quase tudo ali seja sucata mesmo.

  6. William Guimma 28 de junho de 2012 às 04:03 #

    Concordo com o amigo Rodrigo Sirineu. Também não gosto dos comentários. Pois 60% de quem comentou aqui não sabe ler. Só sabem olhar fotos. Que infortúnio.

  7. César Roëntgen 28 de junho de 2012 às 09:00 #

    São, sim. “Restaurabilíssimos”.

    • Bynhoz....que ODEIA fiat, mas ADORA Antigos. 28 de junho de 2012 às 11:04 #

      Caro César, Até podem ser restauráveis ainda, mas levarão muito tempo e principalmente $$$$, e pode até o resultado não ser satisfatório, mas no post passadp, os mesmos estavam mais para vaga lembrança do que eram…Uma pena mesmo..

  8. Thiago Da Cuca 28 de junho de 2012 às 10:18 #

    É triste mesmo, ele até poderia ser um colecionador, mas daqueles que só pensam em quantidade e não em qualidade…
    Bela história e flagra!

    • Bynhoz....que ODEIA fiat, mas ADORA Antigos. 28 de junho de 2012 às 11:08 #

      Ou daqueles que só juntam os carros do jeito que estão e se dizem colecionadores… deixando-os no estado que foram adquiridos… Pena que existam pessoas assim..

  9. Explosivo 28 de junho de 2012 às 10:59 #

    *Lembrando que é impressionante como em `tão pouco tempo` eles ficaram no estado deplorável do post passado…

  10. carinha que mora logo ali. 28 de junho de 2012 às 12:17 #

    restauravel talvez sim mas inviavel porque um sujeito que deixa estes carros assim largados hoje imagina que eles valem uma furtuna.
    ate adotaria o chevrolet verde mas falta quase tudo.

  11. Adriano CP 28 de junho de 2012 às 12:48 #

    Putz em 2005 os carros estavam bem faceis de serem restaurados. Uma pena que ninguem percebeu isso.

    http://www.cars4fun.com.br

  12. marcelo lima 28 de junho de 2012 às 13:03 #

    Eu adotaria os pneus faixa branca do chevrolet

  13. JP 28 de junho de 2012 às 13:20 #

    Comparando as fotos de agora versus 2005, tenho a impressão de que os carros mudaram de local, mesmo que poucos metros e, esta mudança, se realizada sem os devidos cuidados, pode ter ajudado fortemente na degradação acentuada que percebemos.

  14. Ricardo Sarmento 28 de junho de 2012 às 14:47 #

    Eu sei que é fácil chegar aqui e falar que esse ou aquele carro não dá pra restaurar, e coisa do tipo. Tem muita gente por aí que já recuperou cada jabiraca que a gente fica supreso em saber que um antigo cuja pintura brilha nos dias atuais, já foi um amontoado de ferrugem sobre rodas.

    Mas a maioria dos carros desse senhor de Limeira, não tem condições de voltar a rodar. Muitos carros estão com partes “vitais” totalmente estragadas, só serviriam se juntassem com outro carro identico para daí aproveitar o que desse e formar um só. Mas isso já é adaptação, não mais uma restauração simples ou doação de peças de acabamento ou detalhes. Esse carro amarelo eu daria de presente ao barba do ferro-velho pra fazer a festa, junto com boa parte desses restos de carro. Não tem muito o que fazer.

    Acho que salvaria o DKW, que deve ter sido usado em corridas, e com uma boa pesquisa, dá pra saber quem correu nele, quem sabe grandes nomes como Marinho, Jan Balder, Norman Casari, Bird Clemente e por aí vai… Como foi um carro de corrida, não precisa de muitos itens de acabamento, aí dá menos trabalho de restaurar.

    • O Destroçador 28 de junho de 2012 às 16:33 #

      Pra mim mete serra eletrica, fogo e prensa nessas jabiracas…………….. Isso ai ja viro historia e atualmente so eh criadouro de pragas.

      • Magrao da borracharia 1.0 com 168 cv. 28 de junho de 2012 às 21:48 #

        Concordo no quesito restaurar meu palio era uma viatura da pc rs,o cara reformou e soldou o carro no meio(era batido) e o carro anda perfeitamente,nao me arrependo de te lo comprado e faz 2 anos isso.

  15. Daniel Renato 28 de junho de 2012 às 22:00 #

    Foi o que o Ricardo Sarmento falou… O DKW pode ter sido usado por corredores famosos na epoca, não entendo muito bem sobre corridas de DKW, mas sera que na epoca seria como se fosse a Stock car de hoje em dia ???

    • Ricardo Sarmento 28 de junho de 2012 às 23:58 #

      Daniel, nas décadas de 50/60, existiam basicamente 3 categorias no automobilismo nacional:

      1. Carreteras (antigos coupés depenados) como motores V8 Chevrolet e Ford
      2. Fórmula, como motores idênticos aos das carreteras
      3. Turismo, que eram os DKW’s, Gordinis, Karmann-Ghias, Renault R8, Simca Chambord, Alfa Romeo, alguns poucos Fuscas, entre outros.

      No fim do ano, juntava-se todos eles (exceto os fórmulas, que correram sozinhos nos primeiros 500 Km de Interlagos) e disputava-se a MIl Milhas de Interlagos. O conceito de Stock car só veio sugir na década de 70, com o uso do Opala em competições e o lançamento nacional do maverick. É por aí!

      Se quiser saber mais sobre automobilismo dessa época, de uma olhada nesse site: http://www.bandeiraquadriculada.com.br

      E sobre a Mil Milhas de Interlagos: //blogdamilmilhas.blogspot.com

      Espero ter ajudado!

      • Daniel Renato 2 de julho de 2012 às 01:29 #

        Obrigado Ricardo!! Ajudou sim

  16. leandro 28 de junho de 2012 às 22:51 #

    a 7 anos atras tava facil de recuperar mas agora acho q nao tem mas jeito

  17. André 29 de junho de 2012 às 01:02 #

    Essas fotos, lembro de tê-las visto ainda no orkut de alguem a uns anos atras. O DKW tinha até aquelas cintas de couro que usavam pra segurar o capô dos carros de corrida antigamente, legal 🙂

  18. entornonews 29 de junho de 2012 às 15:47 #

    NOSSSAAAAAAAA Esse lugar é as margens da Rodovia Anhanguera. Me lembro bem. Passei ai com meu pai em 2002. Nós tentamos comprar esse DKW que aparece na foto. Realmente este exemplar foi usado em competição. Nesse local tem um armazém, se não me falha a memória, e ficava uma senhora lá. Mãe do dono. Me lembro que a época ela disse que ele tinha um galpão com mais carros. Sobre vender o DKW tínhamos que falar com o filho dela. Isso foi durante nossa volta pra Brasília em uma de nossas idas a SP. Acabou que quando chegamos em Brasília, encontramos um Fusca 84 em perfeito estado por um ótimo preço, dai acabamos comprando e desistindo do DKW. Esse fusca foi vendido e hoje tenho um sonho de criança realizado, estou com um FIAT 147.

    Quando bati o olho nessas fotos me lembre desse lugar. Antes de resolvermos comprar o fusca, a ideia era comprar esse DKW e mandar pra restauro, deixando-o com as características o mais originais possíveis. Sei que, a época, ia ser uma tarefa árdua e difícil. Quando o vimos, em 2002, ele estava sem vidros e tinha todo seu interior, com bancos, painel e forração na cor vermelha.

    Triste ver no outro post, o estado em que se encontram estes carros atualmente.

  19. Erick Linz 2 de julho de 2012 às 13:31 #

    Esses carros já estavam aí na beira da Anhanguera,pelo menos desde 1996,pois passei por lá com destino a mocooca e já via eles……

Comentar no #CarroCultura!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: